domingo, 24 de janeiro de 2010

Puxem-me agora os cordelinhos.

Todos somos marionetas do sentimento. Todos temos o norte que o nosso ilusionista nos comanda. Ele... muito maior do que nós... cega-nos, na direcção do sol...E dança-nos com os seus dedos, totais detentores do sentido que nos comanda o valor.
E para lá do eco de suas gargalhadas desarvoradas, vês-lhe comandantes e ágeis cordéis.
Venha o primeiro mentiroso fugido do circo, que garanta que cortou seus próprios cordéis;
Esse parasita do proveito insípido. Infeliz.

Se infelicidade é uma questão de prefixo, não me deixem agora morta sobre o Palanque.

Dás por ti, marioneta sem par, e quem esta ao teu lado... é o Ilusionista do teu Senhor.

5 comentários:

daniela gomes disse...

achas? (:
pa, nem vou comentar o nojo orgásmico-mental que este post me dá.

LOL
esquece o que eu disse.

blackbird disse...

Acho:) Foi pequeno grande apontamento teu.
Ah, e não, não esqueço, e agradeço por isso;).

*

Anónimo disse...

BRILHANTE!

Diogo

Vagabundo Social disse...

Isto está pra lá de poético... Beijinhos contendo um certo calibre de saudade ** ;)

blackbird disse...

Ja ca faltava o teu vaguear social... lol:)
eheh
*